Celesc Amplia Discussão sobre os Desafios Energéticos no Meio Oeste de SC

Em reunião na Companhia, lideranças políticas e empresariais conheceram os investimentos, as obras em andamento e os projetos para a região. Um grupo de trabalho vai atuar junto ao Governo Federal na busca de soluções

0
130

Nesta segunda-feira, (7), lideranças políticas e empresariais de Santa Catarina reuniram-se na sede da Celesc, em Florianópolis, para conhecer os investimentos, as obras e os projetos de incremento para o sistema elétrico que atende a região Meio Oeste do Estado. O Governador do Estado de Santa Catarina, Carlos Moisés da Silva e representantes do governo participaram da apresentação.

A reunião foi organizada pelo Governo do Estado, Celesc e lideranças políticas e empresariais, após a passagem do tornado, no último dia 28 de maio, que atingiu torres de transmissão no meio oeste de Santa Catarina, causando interrupção no fornecimento de energia em 13 municípios. Na semana passada, a Celesc enviou carta ao Fórum Parlamentar Catarinense solicitando apoio e auxílio na atuação com os agentes setoriais, como a ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), EPE (Empresa de Pesquisa Energética), ONS (Operador Nacional do Sistema) e MME (Ministério de Minas e Energia) visando ações para urgentes para o sistema elétrico da região.

A Celesc pretende ampliar as discussões sobre o tema, que já vinha sendo analisado pela empresa, com a adoção de medidas para que a rede básica ( maior que 230 kV) tenha mais confiabilidade. A utilização de circuitos de contingência na mesma torre (como aconteceu no meio oeste) vem se mostrando insuficiente para proteger o sistema elétrico. Foi criado também um grupo de trabalho para acompanhar de perto os investimentos e ações.

Durante a reunião, a diretoria e os técnicos da Celesc apresentaram às lideranças, os investimentos da Companhia em obras e serviços em sua área de concessão, considerados os maiores da história da empresa. Entre 2019 e 2021, a Companhia realizou investimentos no valor de 1,7 bilhão, sendo R$ 1,1 bilhão só no sistema de distribuição. Para a região do meio oeste, os investimentos incluem a ampliação da Subestação Capinzal, a nova linha de distribuição Videira-Fraiburgo, novos alimentadores e aquisição de terreno para a construção da Subestação Treze Tílias.

Os Desafios

Na reunião, os técnicos da Celesc explicaram sobre a importância das obras e investimentos na região que foi atingida pela passagem do tornado e que deixou um rastro de destruição. O evento climático severo trouxe danos graves ao sistema elétrico do meio oeste, com a queda de torres de transmissão de energia de 230 kV, que pertencem a uma empresa transmissora. No ocorrido no último dia 28, o sistema interligado nacional para a região Meio Oeste de Santa Catarina não traz atualmente redundância para casos extremos.

Ao informar o Fórum parlamentar sobre o caso, a Celesc ressaltou que, atenta a importância da região em questão, já havia atuado junto à Empresa de Pesquisa Energética – EPE, e identificado a importância da implantação de uma obra adicional na Rede Básica (sistema de Transmissão > 230 kV) conectando a Subestação de Transmissão de Videira com a Subestação de Transmissão de Abdon Batista. Em 20 de Dezembro de 2019 foi realizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL o Leilão de Transmissão Nº 04/2018. O certame negociou 16 lotes com empreendimentos localizados em diferentes estados da Federação, onde se destaca o lote 06 que envolvia o primeiro e segundo circuitos da LT Abdon Batista – Videira, em 230 kV, além das demais instalações necessárias ao funcionamento do empreendimento. Tal obra acontecerá nos municípios catarinenses de Abdon Batista, Anita Garibaldi e Videira onde haverá investimentos da ordem de R$ 135,8 milhões pela empresa de transmissão de energia elétrica JAAC Materiais e Serviços de Engenharia Ltda, vencedora do certame. As instalações de transmissão devem entrar em operação em setembro de 2023. Diante da relevância e urgência da obra, a Celesc solicitou apoio ao Fórum para o acompanhamento deste investimento e antecipação da linha de transmissão de 2023 junto ao Governo Federal.

Na sequência de ações, a Celesc também solicitou engajamento da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) e do Ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque. Um grupo de trabalho com diretores e técnicos da Celesc vai acompanhar o desenvolvimento das ações e dos projetos informando, inclusive, às lideranças locais e regionais sobre os trabalhos.

Investimentos no Sistema Elétrico Meio Oeste

De janeiro de 2019 a junho de 2021, os investimentos no meio oeste, municípios das regiões de Videira e Joaçaba, somam R$ 133,32 milhões ( realizados e em andamento). Entre os destaques estão:

A Nova linha de distribuição Videira –Fraiburgo já está em operação e foi concluída no início de 2021. Vai atender 23 mil unidades consumidores da região e o Investimento foi de R$ 22,5 milhões de reais. A obra beneficia moradores de Fraiburgo, Lebon Réis, Monte Carlo, e Brunópolis.

Aquisição de terreno para Construção da Subestação em Treze Tílias 138 kV. Obra terá seu início em 2022, com previsão de conclusão no primeiro semestre de 2023.

Ampliação da capacidade da Subestação Capinzal– investimento de R$ 2,5 milhões. Conclusão da obra em agosto de 2021.

Projetos de Eficiência Energética– R$7,8 milhões

Celesc Rural- Cerca de R$ 8,7 milhões

Faxinal dos Guedes: Ampliação PCH Celso Ramos- Situada no Rio Chapecozinho, município de Faxinal dos Guedes,  construída  em 1963, com 5,6 MW de potência instalada. Com a ampliação em mais 8,30 MW, passará a atuar com uma capacidade de 13,9 MW, energia suficiente para atender aproximadamente 85.000 unidades consumidoras residenciais. Investimento em torno de R$ 40 milhões. Usina SOLAR-Concluída em maio último, a usina Celso Ramos Solar, instalada junto à PCH Celso Ramos, opera com 28 kWp de potência instalada. É classificada como microgeração,  portanto a energia injetada na rede se transformará em créditos para a Celesc Geração em suas faturas de energia. Esta usina possibilitará tornar a Celesc Geração autossuficiente com relação à energia consumida em suas unidades consumidoras. Projeto Piloto da Celesc, nova modalidade de negócio.

Investimentos Celesc 2019 a 2021

Entenda como ocorreu o problema

Quase um ano após a ocorrência de um ciclone bomba sobre o estado, devastando severamente o sistema de distribuição, desta vez um tornado, no último dia 28 de maio, trouxe novo desafio à Celesc, ainda que de forma diferente. O tornado derrubou  torres de transmissão de energia elétrica de 230kV, que pertencem a uma empresa transmissora de energia. O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), responsável pela coordenação do Sistema Interligado Nacional (SIN), informou que, com o ocorrido, houve o desligamento automático da linha de transmissão Campos Novos – Videira, que interrompeu o fornecimento de energia às Subestações Videira, Caçador, Caçador Castelhano e Fraiburgo. Os dois circuitos (linhas de transmissão) da transmissora percorrem o trajeto sendo sustentado pelas mesmas torres, o que leva a uma situação de desabastecimento caso ocorra algo na estrutura. Treze municípios do meio oeste tiveram o fornecimento de energia totalmente interrompido.

De acordo com os meteorologistas da Defesa Civil, a velocidade do vento chegou a 123 quilômetros por hora por conta de uma supercélula de tempestade, que foi a responsável pela formação de um tornado sobre a região. Na manhã do domingo (30), a Defesa Civil estadual confirmou que 256 casas tinham sido atingidas, com 1.024 pessoas afetadas em Campos Novos.

Desde as primeiras horas, a equipes da Celesc foram mobilizadas para recompor o sistema de distribuição afetado no município de Campos Novos e para prover gestão estratégica do fornecimento de energia, após feito o levantamento das cargas prioritárias e as formas de abastecê-las preferencialmente, planejando manobras e remanejamento entre subestações, visando atender a carga que foi viável tecnicamente. Em alguns municípios, a energia foi restabelecida após remanejamento de carga de outras subestações. Mas em municípios como Videira, Fraiburgo e Caçador, a energia só retornou após o reparo das torres.

Durante os trabalhos de reparo pela empresa transmissora, os técnicos da Celesc atuaram intensamente no auxílio à população com remanejamento de cargas de outras subestações e fornecimento de óleo diesel para os geradores de hospitais e postos de saúde. Logo no primeiro dia após a ocorrência, a Celesc instituiu um grupo multidisciplinar que envolveu agentes da área de regulação, suprimento, comunicação, obras, linhas, subestação e manutenção. O sistema foi totalmente recomposto, na última terça-feira, 1º de junho, após a instalação de torres de emergência.