Inovações que impactam o mercado da saúde na América Latina

As mudanças na indústria da saúde não são apenas inovadoras por seus próprios méritos, mas também promovem o impacto de outras tecnologias

0
59

As tecnologias digitais como instrumentos de análise de dados, telemedicina, dispositivos médicos eletrônicos e sistemas de inteligência artificial (IA), são algumas das principais tendências da medicina na América Latina.

As mudanças na indústria da saúde não são apenas inovadoras por seus próprios méritos, mas também promovem o impacto de outras tecnologias, ajudando a conectar os pacientes aos serviços certos e à novos tratamentos.

Visão geral do mercado

Globalmente, um relatório recente da Prescient & Strategic (P&S Intelligence) prevê um enorme crescimento do mercado de saúde digital, com um CAGR de 21,1% entre 2018 e 2023. Geograficamente, a América do Norte teria a maior parcela do mercado global de saúde digital em todo o período analisado.

De acordo com o P&S Intelligence, a posição do mercado digital de saúde na América do Norte pode ser atribuída à melhoria da infraestrutura de saúde, aumento da adoção de soluções digitais, aumento dos gastos com saúde e outras iniciativas de várias associações governamentais para a implementação de tecnologias digitais na saúde.

Enquanto isso, um relatório recente da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) intitulado “Start-up América Latina: Promovendo a Inovação na Região” observou que o crescimento da inovação é mais lento em países da América do Sul, Central e Caribe, o que pode ser atribuído aos ambientes financeiro e regulatório.

Em média, as nações latino-americanas investem uma porcentagem menor do PIB em pesquisa e desenvolvimento, em comparação com os países membros da OCDE. Os bancos latino-americanos são menos propensos a financiar startups e o capital de risco é menos presente na América Latina.

No Brasil, o surgimento do mercado de saúde digital foi impulsionado pela crescente demanda por serviços de saúde avançados e, como resultado, uma porcentagem grande da população do país já tem acesso a serviços digitais de saúde. Dispositivos portáteis e aplicativos mHealth (ou mobile health) não substituíram completamente as consultas e tratamentos, mas reduziram parcialmente a necessidade deles.

Tendências inovadoras da saúde digital

Registros médicos eletrônicos

Os EMRs (“Electronic Medical Record”) continuam sendo uma das maiores forças tecnológicas que impulsionam o avanço na área de saúde. Essa tecnologia integrada pode tornar o atendimento ao paciente mais simplificado e eficiente.

Sistema Blockchain

Ao mudar de sistemas de centralizados para sistemas “Blockchain”, a transferência de informações de pacientes será elevada a um nível totalmente novo.

Dispositivos médicos e telemedicina

À medida que os dispositivos inteligentes se tornam mais precisos do ponto de vista médico, é possível começar a ver que as consultas tradicionais como uma coisa do passado. Conforme a IoT cresce e os dados de saúde são armazenados nos sistemas, o potencial de interação entre registros médicos e outras tecnologias aumenta.

Inteligência artificial

De um modo geral, a Inteligência Artificial (AI) abrirá as portas para humanos e tecnologia se conectarem, tornando possível monitorar a atividade das pessoas mais do que nunca. Quando se trata de saúde, isso significa que os provedores serão capazes de usar inteligência artificial para tratar pacientes em um nível totalmente novo.

Aplicativos de voz

As empresas especializadas estão aproveitando as tecnologias de voz, transformando-as em soluções para o setor de saúde. Os aplicativos de voz e chatbot compatíveis com a saúde ganham destaque à medida que permitem o estabelecimento de uma comunicação imediata, ampliando a capacidade de resposta aos pacientes, bem como reduzindo custos operacionais para o setor.

A pandemia acelerou a transformação digital

A pandemia de Covid-19 está deixando grandes marcas na humanidade e, ao mesmo tempo, acelerando algumas ações estagnadas na área da saúde. Na medicina, a transformação digital projeta um cenário de forte tendência para os próximos anos, conforme demonstrado pela empresa de inteligência de mercado, IDC: o investimento em tecnologias relacionadas à saúde na América Latina deve chegar a 2 milhões de dólares até 2022, o equivalente a 10,5 bilhões de reais.

No Brasil, por exemplo, o Hospital Albert Einstein aplicou R$ 25 milhões em equipamentos que oferecem soluções Blockchain (segurança de dados) e conexão para a prática da telemedicina. Já a operadora de saúde Prevent Senior inaugurou uma sala de 350 metros quadrados, onde os médicos acompanham virtualmente seus pacientes.

Hospital das Cínicas – o mais bem equipado da América Latina

O Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da USP foi reconhecido como o mais bem equipado do Brasil e da América Latina, ocupando o 1º lugar no índice do “HospiRank 2020”, organizado pela Global Health Intelligence (Estados Unidos).

Criado em 2017, este ranking busca identificar hospitais latino-americanos que adquirem equipamentos de alta tecnologia. As instituições médicas são avaliadas em relação à infraestrutura, condições de internação de pacientes, quantidades de salas e recursos para a realização de diagnósticos, procedimentos cirúrgicos e acomodação para partos. O índice também leva em consideração os tipos de equipamentos para lidar com câncer e com pacientes de alto risco, incluindo aqueles acometidos pela Covid-19.

Já no ranking publicado pela revista Newsweek, o HC aparece na 14ª posição entre os melhores hospitais de neurologia do mundo. Este reconhecimento internacional se dá por conta dos recursos tecnológicos, como uma neuroimagem de grande qualidade, que facilita o acesso ao que está acontecendo no sistema nervoso.