Cobalchini explica voto pelo impeachment e a exportação que anima a economia caçadorense

Veja nesta coluna a explicação do voto do deputado Valdir Cobalchini, além de outras notas como os excelentes números da exportação que estão puxando a economia caçadorense

0
83
Deputado Cobalchini explica seu voto

O voto do Cobalchini

O deputado estadual, Valdir Cobalchini (MDB) divulgou uma nota oficial com o objetivo de esclarecer seu voto pelo prosseguimento do processo de impeachment do governador Carlos Moisés e sua vice, Daniela Reinher (sem partido). Abaixo, reproduzimos a nota na sua íntegra:

“Hoje demos um passo decisivo em um processo que, sou obrigado a registrar, é triste para Santa Catarina.

Não é a primeira vez que vivencio um processo assim: como Chefe de Gabinete do então Governador Paulo Afonso, também estive na linha de frente de um processo de impeachment. Sei o quanto é traumático. E sei que nenhum dos envolvidos sente qualquer tipo de alegria durante seu andamento.

Tendo esta experiência e sabedor das feridas profundas que um processo assim gera, adotei até aqui o máximo de equilíbrio possível, algo que a situação requeria. Foi a mesma postura que adotei quando fui vice-Presidente da CPI dos Respiradores, que apurou o desvio de R$ 33 milhões na aquisição de ventiladores pulmonares durante a pandemia.

Evitei pré-julgamentos. Sempre me mantive aberto a ouvir, ao diálogo e ao mais amplo contraditório. Mas chegou o momento em que somos chamados a nos posicionar. E assim o fiz através de meu voto pelo seguimento do processo de impeachment da vice-Governadora Daniela Reinher e do Governador Carlos Moisés.

Quem acompanha minha atuação, sabe que sempre estive à frente dos esforços para evitar que chegássemos a esta decisão tão difícil.

A ação pela qual Moisés e Daniela são julgados é relativa ao aumento dado à Procuradores do Estado, visando equiparação salarial com os Procuradores da Assembleia Legislativa, está amplamente fundamentada do ponto de vista legal.

Todo e qualquer Prefeito, mesmo no menor dos municípios catarinenses, sabe que não pode gerar novas despesas sem a anuência do Poder Legislativo. E se a medida que foi tomada pelo Governador Carlos Moisés, com a anuência de sua vice, houvesse sido tomada por qualquer um dos Prefeitos de pequenos municípios, não tenho a menor dúvida que o Judiciário certamente já os teria afastado do exercício de seus mandatos.

Agora o processo terá seu seguimento. Presidido pelo Presidente do Tribunal de Justiça e com 5 Desembargadores e 5 Parlamentares que julgarão o Relatório votado hoje.

O Governador e a Vice seguem tendo amplo direito à defesa.

De outro lado, a Assembleia Legislativa, que comporta em seu seio a representação dos 7 milhões de catarinenses, dada a sua composição absolutamente democrática, busca uma saída para a profunda crise que nosso estado enfrentou e ainda enfrenta.

Que Deus nos ilumine e nos permita sair desta crise com o mínimo dano possível, projetando o futuro próspero que o povo de nosso estado merece”

Deputados atrapalhados

Sobre esse processo de andamento do impeachment do governador Carlos Moisés e sua vice, Daniela Reinher (sem partido), o qual acompanhei pessoalmente a votação nesta semana que passou na Assembleia Legislativa e que já havia antecipado há meses aqui este desfecho, faço dois registros interessantes, ambos da bancada do PDT.

O primeiro é da líder do governo, deputada Paulinha, que só faltou chorar na hora de se manifestar, na tentativa de virar votos no plenário. Mas, na hora de votar, trocou as bolas. Ao contrário de votar NÃO – contra o prosseguimento do processo de impeachment – votou SIM – pelo impechment dos seus líderes da Casa da Agronômica. Depois, obviamente, se retratou, pelo “equivoco”. Ou estaria votando pelo coração, ou foi um erro mesmo.

O segundo é do deputado Rodrigo Minotto, também do PDT, do Sul do Estado. Esse deputado mostrou uma face pequena e nojenta da política. Desde o início do governo Moisés está lá agradando o governador e lambendo suas botas. Tudo em troca de vantagens no seu governo. Mas, na hora que o governador mais precisou o que ele fez? Licenciou-se. Arrumou uma desculpa de que é candidato a prefeito de Criciúma e fugiu pela porta dos fundos. Assumiu em seu lugar o vice, Cesar Valduga, do Pc do B, que votou contra o governador. Com companheiros assim, é fácil de entender o porquê do governador estar nessa enrascada.

Zé Ninguém

Repercutiu bastante a nota que publiquei nesta coluna a respeito do Zé Ninguém. E olha, para minha surpresa, foram vários “Zé Ninguéns” disputando a alcunha. Fizeram vídeos, foram para o Facebook, mandaram nos grupos, todos bravos porque reivindicavam ser o Zé Ninguém desta coluna.

Continuem, está engraçado!

Mudança

Pesquisas internas apontam para um cenário bem distinto do que os analistas imaginam em Caçador. Parece que a onda da mudança iniciada em 2018 pode ter continuidade no pleito deste ano. Isso também deve se repetir em municípios da região como Calmon, Matos Costa, Macieira, Lebon Régis e Rio das Antas. Aparentemente a política mudou de vez.

Exportação traz euforia

A pandemia da Covid-19 não fez bem para economia alguma. Porém, há mercados e regiões que, mesmo com a saúde pública em risco, conseguiram manter e ampliar seus negócios. É o caso de Caçador e grande parte das regiões Oeste e Norte Catarinenses, onde a exportação é o carro chefe da economia local.

Com o dólar acima da casa dos R$ 5,00, há meses, empresas que trabalham com exportação estão indo muito bem obrigado. E essa euforia no volume de vendas para o mercado externo está refletindo diretamente em toda a comunidade. Amigo muito bem informado sobre a economia caçadorense garante que as empresas não pararam suas linhas de produção durante a pandemia. É claro, tomaram medidas sanitária para evitar o contágio, mas continuaram produzindo.

O resultado é a contramão da economia nacional e especialmente do Litoral Catarinense, onde o serviço e comércio puxam a economia. Em Caçador e região Oeste, há empregos sobrando. Há registros de anúncios de empresas (como este abaixo que ilustra esse post) e até de outdoor oferecendo vagas. Nesta semana o Sine divulgou que tem 3.778 oportunidades de trabalho, especialmente na agroindústria e indústrias dos mais variados setores de exportação.

Exportações de SC

Segundo dados divulgados pelo Ministério da Economia nesta semana, Santa Catarina faturou US$ 727 milhões com exportações em agosto. Este é o segundo maior valor do ano, atrás apenas de março, quando o Estado faturou US$ 731 milhões. Durante a pandemia, o pico negativo foi em junho, com US$ 614 milhões. O resultado de agosto representa uma leve alta em relação aos US$ 723 milhões registrados em julho.

Outdoor oferecendo emprego em Caçador

Começaram os ataques

Nem bem a campanha começou, e o prefeito Saulo Sperotto já está sendo alvo de ataques. E, pra variar, o mesmo assunto, batido e chato: as suas supostas condenações.

Os adversários (sim, isso parte de alguns adversários) continuam passando vergonha. Foi assim em 2016, quando o assunto dos ataques contra Saulo foram, pasmem, o mesmo de agora.

Afirmavam, nas redes sociais, que Saulo não poderia ser candidato. Bom, ele foi candidato, venceu e, o restante da história, estamos vendo atualmente.

A galera podia mudar o assunto, pelo menos, né?