Convenções começam definir o cenário para as eleições municipais na região

Nesta coluna publicada na edição impressa do Jornal Informe deste sábado (12) é possível ver algumas das definições dos partidos políticos para as eleições deste ano. As convenções seguem acontecendo e uma coluna extraordinária será publicada no final do dia deste sábado e outra no meio da semana

0
125
Aliança entre MDB, PP, PSL e PSD sacramentada nesta semana para apoiar Duda em Lebon Régis

Azedou em Lebon Régis

Como antecipado por este coluna, deu ruim em Lebon Régis. Após não cumprir a palavra de que não concorreria à reeleição, o prefeito Douglas Mello (PDT) perdeu o apoio do vice-prefeito Celso Maciel, que saiu com o seu MDB da base de apoio. Douglas chamou para compor como vice na chapa que disputará a reeleição o PSDB que indicou Tere Ferlin. As convenções ainda estão acontecendo no município.

No outro lado o vereador mais votado do último pleito, Duda Zanotto (PSL) montou um verdadeiro exército para evitar a reeleição do prefeito (foto). Terá o apoio do PP, que indica o vice na chapa (Marcelo Spautz) e ainda tem o apoio do PSD. Nesta semana, uma reunião do MDB (foto) sacramentou o ingresso do MDB na base de apoio de Zanotto, concorrendo apenas com chapa de vereadores, mas com o objetivo de destronar Douglas.

Com isso, o adversário do prefeito terá o apoio do vice-prefeito Celso Maciel e também do ex-prefeito Ludovino Labas, que apesar de ter seu partido o PSDB compondo com Douglas, já demonstrou publicamente que apoia Zanotto.

O cenário em Lebon Régis aponta para uma eleição acirradíssima. As convenções ainda estão acontecendo, mas, os últimos movimentos equilibraram o jogo para o lado da oposição e hoje não é mais possível cravar um favorito no município.

Três candidatos em Calmon

A disputa eleitoral em Calmon deverá ter três candidatos: o prefeito Pedro Spautz (PP), que vai tentar a reeleição; o empresário Nelson Peron, que tirou o PSDB da base de apoio do atual prefeito para pavimentar sua candidatura e o padre Diniz (PDT). As convenções nos próximos dias irão oficializar seus nomes, bem como seus vices e candidatos a vereadores.

Diniz vai concorrer com uma chapa pura do PDT e terá o amplo apoio da família De Geroni, que nesta eleição resolveu não colocar nomes na disputa. Vai apenas empreender esforços para colocar o padre pra governar o município. Já o prefeito Pedro Spautz tenta a reeleição coligado com vários partidos, apesar de sentir a dissidência dos tucanos.

Nelson Peron
Padre Diniz
Prefeito Pedro Spautz

Munaretto e Selmir em Rio das Antas

A dupla João Carlos Munaretto e Selmir Bodanese foi escolhida, nas convenções partidárias que aconteceram segunda-feira (7), para disputar as eleições em Rio das Antas como candidatos a prefeito e vice.

A coligação, que tem na cabeça o MDB, contará ainda com o PSC e o PSL. Com vasta experiência na administração pública, tanto Munaretto quanto Selmir vêm para a disputa visando dar um novo rumo para Rio das Antas.

“Conhecemos os problemas da comunidade, conhecemos as pessoas e sabemos o que fazer para melhorar a nossa cidade. Nosso objetivo fazer nossa tão querida Rio das Antas crescer cada vez mais”, destacou Munaretto.

A coligação terá ainda 34 candidatos a vereadores e vem para mostrar a força do trabalho para Rio das Antas. “O compromisso é com o povo, trazer de volta o carinho e o respeito para todos os rioantenses, com muito trabalho e dedicação”, finalizou Selmir.

As convenções dos demais partidos estão acontecendo nesses dias e definirão os demais concorrentes. A tendência é que três nomes disputem a prefeitura em Rio das Antas.

Definições

Enquanto a versão impressa deste Informe está em circulação, algumas convenções partidárias ainda estão acontecendo, em Caçador. Na noite desta sexta-feira (11), foi realizada a convenção do PP e que, se nada aconteceu de forma anormal, homologou a candidatura de Rubiano Schmitz a prefeito.

Por outro lado, neste sábado, se reunirão o PSD, PDT, DEM, PSL e PSDB para definir a coligação para apoiar a reeleição do prefeito Saulo Sperotto e do vice, Alencar Mendes.

As informações atualizadas serão publicadas em colunas no site deste Informe.

Definições (2)

Uma das coisas que já é praticamente certa: assim que o nome do prefeito Saulo for aprovado e enviado para o TRE, a oposição irá pedir a impugnação, baseado em antigos processos dele.

Entretanto, isso já aconteceu em 2016. Assim como naquele ano, garantem fontes alinhadas ao prefeito, agora, em 2020, a situação é a mesma e Saulo será candidato.

Se vencer as eleições, conforme minhas fontes, será diplomado e, se for diplomado, vai assumir para o seu 4º mandato em 1º de janeiro de 2021.

Definições (3)

Se o amigo leitor estiver com a versão impressa, pode recortar essa parte da coluna e guardar para me cobrar depois. Se acaso for na versão online, pode printar.

Definições (4)

Essa guerra jurídica, pelo que estou notando, vai nortear mais uma vez a campanha de alguns candidatos da oposição do prefeito Saulo, além, claro, daqueles que vão trazer os “podres” para a campanha. Em 2016, não deu certo e continuo pensando que agora, também não. Mas, cada candidato tem seu estilo né…

Definições (5)

Se tudo correr conforme me informaram os contatos políticos em Caçador, serão então 4 candidatos mesmo, em ordem alfabética: Paulão (PT), Rubiano (PP), Saulo (PSDB), Silvane (MDB).

Ari tem apoio do 4 partidos

Em Timbó Grande os partidos que apoiarão a campanha de reeleição do prefeito Ari Galeski (MDB) já realizaram nesta semana suas convenções. Garantiram o apoio para Galeski: MDB, PSL, PDT e PSD que indica o vice na chapa: Generoso dos Santos Sobrinho. Quanto aos seus adversários ainda estão abertas convenções e estaremos divulgando assim que todas foram finalizadas.

Prefeito Ari, na convenção do MDB
Prefeito Ari e seu vice de chapa de reeleição, Generoso

Sem Jasc

A Associação dos Municípios do Alto Vale do Rio do Peixe (Ampar), através do presidente, Nadir Baú da Silva, prefeito de Tangará, encaminhou, nesta semana, ofício ao presidente da Fesporte, Rui Godinho da Mota, informando que os municípios da região decidiram não participar dos Jogos Abertos de Santa Catarina, se porventura, vieram a ser realizados neste ano de 2020. É até desnecessário o debate e a enumeração de motivos para a decisão, diante dos reflexos da pandemia de coronavírus, que ainda assolam o Estado.

Impeachment

Na próxima reunião da Comissão Especial do Impeachment sobre a equiparação salarial dos procuradores do Estado, está programada a apresentação e a votação do relatório final, que vai recomendar o acatamento ou não da denúncia contra o governador Carlos Moisés da Silva (PSL), a vice-governadora Daniela Reinehr (sem partido) e o secretário de Estado da Administração, Jorge Eduardo Tasca. A reunião está marcada para a próxima terça-feira (15), às 9 horas.

Se for aprovado pelo colegiado, o relatório final será lido em sessão ordinária e publicado no Diário Oficial da Assembleia e transformado em um projeto de decreto legislativo (PDL). Decorridas 48 horas da publicação, o PDL será colocado para discussão e votação em Plenário, onde precisa de 2/3 dos votos dos deputados (27 votos favoráveis) para ser aprovado.

RECEBA ESTA COLUNA POR WHATSAPP

Quer receber esta coluna por Whatsapp toda quarta e sábado? ADICIONE o número (48) 99800-5836 em SEU celular e nos mande um OK, com seu 1º nome!