Imobiliária vende lotes de loteamento em área rural; os bastidores da eleição da Câmara e outras

Leia também nesta coluna sobre o imbróglio entre Cobalchini e o ex-secretário de Infraestrutura; a denuncia do vereador Alcedir Ferlin (MDB) afirmando que a prefeitura está cobrando para realizar serviços de agricultores e outras notas

0
148

O respeitoso Cobalchini

Que episódio lamentável e repugnante este envolvendo o deputado Valdir Cobalchini (MDB) e o, agora ex-secretário, de Estado de Infraestrutura, Carlos Hessler. Impedir um deputado de acompanhar uma reunião pública sobre um pleito de um município é uma afronta contra a Democracia e um ato de atentado contra este importante elo entre a população é o Governo que é o Parlamento.

Acompanho a carreira política de Cobalchini desde que chegou a Caçador. Já estive do lado de cá do balcão (onde me encontro atualmente) e do outro lado, assessorando o deputado em campanhas políticas. Nunca o vi se alterar ou ser mal educado. Nunca o vi levantar a voz, denegrir ou afrontar alguém. Nunca o vi pedi para que se ataque adversário político ou fale mal de alguém. Conheço sua índole. Sempre foi um “gentleman”, cordial e de fino trato com todos. Talvez sua origem simples e humilde explique essa forma de agir. Sempre respeitou a todos e tratou com educação e respeito aliados e adversários políticos. Não merece esse tipo de tratamento.

Que bom que respondeu à altura, no melhor lugar que é a Tribunal da Assembleia Legislativa. Caiu o secretário, restou vivo o respeito. Educação e forma republicana de tratamento entre os homens públicos deveriam ser condicionantes para qualquer um ocupar um cargo público.

O deselegante Carlos Hessler

Carlos Hessler mostrou além de deselegância, incompetência na Infraestrutura estadual. As rodovias estaduais estão esburacadas. No Oeste e Meio-oeste, aonde o acesso terrestre é essencial, há casos dignos de ação do Ministério Público, mas esse só se preocupa com a Capital do Estado. Obras simples como roçadas nas margens das rodovias andam a passos de tartaruga. Recuperação de rodovias, nem se fala. Mesmo herdando o projeto pronto do Governo passado, o governo não consegue tirá-lo do papel. Dizem que a obra iniciou ano passado, mas, pouco se vê de movimentação de máquinas no local.
A Infraestrutura parou por um ano. Prefeitos reclamam da inanição e até desleixo do comando da pasta. Exemplo é o caso da reunião em que o secretário tocou o deputado da sala. Trata-se de um valor de R$ 58 mil que o município de Pinheiro Preto vai perder por erro da Secretaria Estadual que não publicou um edital. Incompetência pura. Só ano passado o deputado Cobalchini esteve oito vezes na Secretaria tratando do assunto. O coronel-secretario deve tê-lo tocado da sala por vergonha.

Tá com Moral

Fosse eu um secretário de Estado e o gabinete do deputado Cobalchini solicitasse sua participação em uma reunião, depois dessa lida com o secretário Coronel exonerado, mandaria agendar na hora e ainda solicitaria qual marca de café, bolachinhas ou quitutes o ‘home’ gosta.

O plano B do plano A

Esses dias o prefeito em exercício Alencar Mendes (DEM) recebeu-me em seu gabinete. Sempre cordial, falou sobre a experiência de assumir a prefeitura no ano eleitoral (sentiu a diferença em relação aos demais anos quando a coisa foi mais sossegada). Também pincelou algumas considerações sobre a eleição deste ano.

O quadro é muito claro para Alencar. O prefeito Saulo Sperotto (PSDB) é o candidato natural à reeleição. Isso é ponto pacifico. Alencar também entende que o grupo político deverá ser mantido, afinal, na sua análise, a gestão municipal está entregando resultados para a população e isso respalda a continuidade.

Neste tabuleiro, o posicionamento de Alencar é ser o plano B do Plano A. Como Sperotto terá que superar pendências políticas, este entrave segura o cenário sucessório. Se tiver sucesso é o candidato e com forte condição de êxito. Caso contrário, Alencar está ali, pronto, preparado e bem posicionado para assumir uma possível candidatura.

Eleição da Câmara

O vereador Itacior Fiorese, o Fically (PDT) foi eleito presidente da Câmara de Caçador. Nos bastidores, correram várias possibilidades de ele ter adversário, e que seria da base do prefeito Saulo Sperotto (PSDB).

Só que no dia da eleição, somente Fically colocou o nome à disposição, tendo o voto favorável de todos os vereadores.

Nas internas, há quem diga que essa unanimidade colocou água no chopp (isso que ele nem bebe) do vereador Rubiano Schmitz (PP), que estaria articulando para ser o “salvador da pátria” e ainda manter o domínio da Câmara, tendo Fically como um “subordinado” seu.

Eleição da Câmara  (II)

No mesmo dia da eleição, o prefeito em exercício, Alencar Mendes (DEM), foi até a Câmara para levar a mensagem anual do Executivo. Ele fez um retrospecto sobre as ações do Governo nos três primeiros anos e já apresentou o que será realizado em 2020.

Com poucos minutos de discurso de Alencar, Rubiano, que é um desafeto declarado do vice-prefeito, levantou da sua cadeira e saiu do plenário.

Raivinha?

Eleição da Câmara (III)

Fically assume a presidência da Câmara pela segunda vez na história. Com seu jeito simples de fazer política (o que ele sabe fazer bem, diga-se de passagem), viu ser cumprido um acordo de cavalheiros, cumprido pelo ex-presidente Alcedir Ferlin (MDB), que renunciou ao cargo e teve uma eleição muito tranquila.

Apesar de o último ano de mandato ser ruim para o presidente, não deixa de ter algumas vantagens: a principal é uma certa visibilidade a mais do que os outros vereadores, já que é o representante do Legislativo.

Fim das férias

O prefeito Saulo Sperotto retorna das suas férias nesta segunda-feira, 10, quando reassume o cargo. No período de 20 dias ficou em seu lugar, como interino, o vice, Alencar Mendes.

Cobrança

Vereador Alcedir Ferlin (MDB) voltou à função simples de vereança (deixou de ser presidente da Casa) com a língua afiada. Nesta semana atirou contra a secretária de Infraestrutura, comandada por Amarildo Tessaro (PSDB). Criticou que há casos de caçadorenses que precisam pagar para que as máquinas da prefeitura realizem obras viárias em suas localidades. “Sou muito amigo do Tessaro, mas meu Deus do céu. Pra sair algum serviço do município é complicado. Não fazem e quando fazem, cobram por fora do cidadão. Rapam o cidadão. Se fizerem sábado ou domingo, cobram do cara. Isso é proibido, é vedada a cobrança. E se o cidadão não pagar, eles não fazem, nem que seja porteira fora, porteira adentro, não fazem nada em benefício da sociedade”. Será que o Ministério Público assiste as sessões da Câmara?

Lotes urbanos em área rural

Uma imobiliária está com placa e tudo vendendo lotes à margem do perímetro urbano de Caçador, sentido Calmon. O problema é que o loteamento está em uma área rural. Os espertinhos esperam que um projeto de lei na Câmara de Caçador altere a área de rural para urbana, mudando o zoneamento urbano de Caçador. Em outras palavras, os interesses financeiros de alguns ditando os destinos do município. Mas, e se não passar na Câmara. Tenho informações de que não avança. Voltaremos ao assunto.

A culpa

Secretário Municipal de Infraestrutura, Amarildo Tessaro (PSDB) está colocando a culpa em vereadores por obras paralisadas em bairros. O assunto promete render nesta semana.

RECEBA ESTA COLUNA POR WHATSAPP

Quer receber esta coluna por Whatsapp toda quarta e sábado? ADICIONE o número (48) 99800-5836 em SEU celular e nos mande um OK, com seu 1º nome!